Escritor e Jornalista Católico Antônio Socci: Bergoglio destrói Fátima e a Mensagem de Nossa Senhora


15.05.2017 -

n/d

Bento XVI, na peregrinação a Fátima de 13 de maio de 2010, esperava para ver o centenário das aparições (2017), o triunfo do imaculado coração de Maria, profetizado pela mensagem de nossa senhora.

Mas em 12 de maio de 2017 o papa Bergoglio liquidou substancialmente Fátima e a Mensagem da Mãe de Deus.

Hoje na homilia, graças a Deus, ele leu uma normal pequena página comemorativa, preparada pelos teólogos da Santa Sé para a canonização dos pastorinhos, e não há sequer uma (breve) menção do inferno (a estratégia bergogliana está sempre presente).

Mas ontem, quando ele fez seu discurso bergogliano verdadeiro, aconteceu algo dramático. E vir a Fátima só para dizer estas palavras que estão em oposição a todos aqueles pronunciados naquele santuário pelos outros papas que foram para lá como peregrinos.

CONTA ABERTA

Que Bergoglio tivesse uma conta aberta com Fátima se poderia imaginar, até porque durante a controvérsia dos sínodos (para a comunhão para divorciados novamente casados) foram frequentemente citado algumas palavras importantes da Irmã Lúcia, que entendia que estava errado a "modernização" teorizada por Kasper e imposta por Bergoglio.

Foi o Cardeal Carlo Caffarra – que lutou em defesa da fé católica e em seguida foi um dos protagonistas da dúbia – para relatar que, quando João Paulo II o encarregou na tarefa de fundar o Pontifício Instituto para estudos sobre matrimônio e família, ele escreveu à irmã Lucia para pedir-lhe orações.

E – a surpresa - a vidente respondeu com uma longa carta na qual - referindo-se ao cardeal - ela afirmou que "a batalha final entre Deus e o reino de Satanás será sobre a família e casamento. Não tenha medo, ela acrescentou, porque todos os que trabalham para a santidade do matrimônio e da família serão sempre combatidos e terão oposição em todos os sentidos, porque este é o ponto decisivo. Ela então concluiu, mas Nossa Senhora já esmagou sua cabeça".

De modo mais geral pode-se imaginar que as aparições de Fátima não foram amadas por Bergoglio: há a visão do inferno, o apelo à conversão e à penitência, e há a profecia sobre o advento do comunismo ateu com o seu crimes, especialmente a perseguição dos cristãos, tem ensanguentado do século XX (e além).

Todos os temas detestados por Bergoglio. Mas não poderia se imaginar que Bergoglio tivesse decidido nesta viagem a demolir as aparições e a mensagem de Nossa Senhora.

Um espetáculo jamais visto.

DEMOLIÇÃO

É no discurso na vigília de sexta-feira à noite (a bênção das velas) o decisivo.

Não só ele nunca mencionou o inferno, nem o comunismo ateu, mas ele explicitamente contestou as palavras de Nossa Senhora e a profecia, para ridicularizar a mensagem da irmã Lúcia.

Na verdade, o conteúdo central da aparição de Fátima foi a visão do horror do inferno, mostrado aos pastorinhos.

Foi por esta razão que Nossa Senhora apareceu: ela expressou a sua sincera tristeza porque muitas almas se perdem, elas afundam lá; Ela avisou da chegada do comunismo ateu (que na verdade alguns meses mais tarde tomou o poder na Rússia), pediu a conversão e a penitência para evitar a perdição eterna e catástrofes que a escolha do mal atrairá sobre a humanidade e o mundo.

Bem, Bergoglio foi a Fátima para derrubar tudo.

Ele argumentou que se comete uma "grande injustiça contra Deus e sua graça, quando se afirma em primeiro lugar que pecados são punidos por seu julgamento," porque precisa priorizar que são perdoados pela sua misericórdia" Ele repete: "nós devemos preceder a misericórdia do julgamento."

A quem se refere? É óbvio que o alvo é a Mensagem de Fátima, relatada pela Irmã Lúcia. Mas a visionária simplesmente relatou as palavras da Virgem.

Portanto, os casos são três: O Deus-na opinião de Bergoglio-não é misericordioso o suficiente e errado condenar muitas almas ao tormento eterno; O Bergoglio não acredita em aparições (e por isso, ele está se opondo com a irmã Lúcia) ou está acusando a Virgem diretamente de ter cometido uma "grande injustiça contra Deus".

SE ACREDITA?

Que Bergoglio realmente não acredita nas aparições e milagres na verdade é mais do que uma suspeita, porque ele mesmo disse no livro entrevista "O céu e a terra", onde ele afirma:

"Sinto-me uma desconfiança imediata antes os casos de cura, mesmo quando se trata de revelações ou visões; São tudo coisas que me coloco na defensiva. Deus não é um tipo de correio Andreani (um mensageiro, NDR) que envia mensagens continuamente ".

Na prática Bergoglio diz que acredita em um Deus, mas não é o Deus dos católicos. Além disso, o disse abertamente na entrevista para Scalfari:

"Eu acredito em Deus, não em um Deus católico, não há um Deus católico".

Até mesmo os muçulmanos ou mesmo maçons – para dizer – podem assinar tal declaração. Mas não os católicos.

O problema é este: um homem que – como Papa da Igreja Católica – pretende trazer a igreja fora do catolicismo. Eis porque ontem em Fatima Bergoglio ridicularizou na verdade o medo do inferno e a admoestação materna de Nossa Senhora na perdição eterna.

A MÃE DE DEUS

Portanto Bergoglio tem diretamente como alvo da devoção popular à Nossa Senhora, ironicamente porque fizeram dela “uma Santinha” de onde se buscam “favores de baixo preço”.

Aqui transborda seu desprezo pela piedade cristã do povo católico e novamente é a Irmã Lúcia alvo, o que seria essencialmente uma transmissão de uma caricatura de Nossa Senhora, “uma Maria esboçada por sentimentos subjetivos que a vemos manter o braço justiceiro de Deus pronto para punir."

Este é um desafio explícito e flagrante à Mensagem de Fátima e La Salette (embora a Igreja tenha reconhecido ambas as aparições...).

TEMOR DE DEUS

Como eu disse, a advertência de Nossa Senhora ao risco da perdição eterna, assim, é derrubada por Bergoglio: "Nós devemos preceder a misericórdia ao julgamento".

É na sua habitual idéia 'subjetiva', que todos nós estaríamos salvos e por isso não há necessidade de conversão (muito menos de penitência). Bergoglio - aqui na linha de Lutero - nos diz que Jesus "pagou por nós na Cruz. E assim, na fé que nos une a Cruz de Cristo, somos livres dos nossos pecados ".

É por isso que não há vestígios do inferno no discurso de Bergoglio na sexta-feira.

Por todas estas razões Bergoglio concluiu convidando para se libertar do "temor de Deus" que Nossa Senhora nos ensinou: "deixamos de lado todas as formas de medo e pavor, porque não condiz com aqueles que são amados."

Na verdade em Bergoglio não há nenhum vestígio de medo de Deus.

Nas sua intervenções nos últimos meses varre o Deus proclamada pela Igreja ( "não há um Deus católico"), ridiculariza a Trindade ( "mesmo dentro da Trindade estão todos discutindo a portas fechadas, enquanto lá fora há imagem de unidade" ), zomba o Filho de Deus ( "Jesus se faz um pouco tolo") e até mesmo se obtem a blasfemar alegando que na cruz Jesus 'se tornou o diabo.'

Agora ele destrói a Mensagem de Fátima e a imagem de Nossa Senhora da devoção católica.

Neste ponto, uma pergunta: que outras demolição tem que fazer para abrir os olhos dos papólatras entusiastas?

POSTSCRIPT

Papa Bergoglio sexta-feira apresentou-se diante da imagem de nossa senhora atribuindo a si mesmo a expressão "Bispo vestido de branco".

Ele queria citar desta forma um dos personagens contidos na visão do terceiro segredo de Fátima.

É surpreendente e talvez alguns da comitiva era suposto tê-lo aconselhado porque na reflexão sobre o Terceiro Segredo, nos últimos anos, entende-se que a figura da visão é pelo menos ambígua e perturbadora.

E é muito diferente da figura, do velho "Santo Padre, meio trémulo com andar vacilante, acabrunhado de dor e tristeza" que sobe a montanha.

Na verdade, é bastante plausível pensar que precisamente o enigma daquele personagem perturbador – o "Bispo vestido de branco" – Nossa Senhora explicou naquela parte do terceiro segredo que não foi publicado, e que deve dizer respeito a apostasia da igreja e para os graves problemas nos vértices.

É verdade que a irmã Lúcia escreveu sobre o "Bispo vestido de branco" que "tivemos o pressentimento que era o Santo Padre", mas toda esta formulação é muito estranha.

No livro "O Quarto Segredo de Fátima", que publiquei em 2006 - tanto tempo antes dos acontecimentos de hoje - fez essas perguntas e essas hipóteses:

"Por que – nos perguntamos – aqui a vidente recorreu a um complicado circunlóquio (um bispo vestido de branco) quando, algumas linhas mais tarde, ela expressa e diretamente nomeia o Papa, chamando-lhe"o Santo Padre"? A fórmula "Bispo vestido de branco" que "tivemos a sensação ser o Santo Padre", nesta parte do segredo, é só uma forma um tanto indesejada para designar o Papa, ou poderia se referir a alguém que usa o hábito papal, mas sem ser o Papa ou sem ser legitimamente? Na verdade, pode não ser acidental tal expressão porque é em si inexplicável, complicado e ilógico: seria sensato dizer "um homem vestido de branco", porque isso é o que as crianças viram. Mas como pode o Lucia ter visto "um bispo vestido de branco"? Ninguém escreveu no seu rosto que era um bispo, sendo que um bispo não tem um aspecto visível como sendo loiro ou castanho. O uso da palavra "Bispo", mas "vestida de branco", sugere que pode verdadeiramente ser um Papa ilegítimo, um Antipapa, um usurpador. Irmã Lucia afirma ter escrito o segredo com a ajuda direta da Virgem, 'palavra por palavra', então o uso da fórmula que foi diretamente inspirado do topo. O que isso significaria? O «bispo vestido de branco' é uma pessoa diferente daquele que – precisamente chamado 'O Santo Padre –' logo depois de atravessar a cidade em ruínas...? "

Por todas estas razões – que provavelmente Papa Bergoglio não sabe – eu fiquei um pouco perplexo com a escolha oficial de se chamar "Bispo vestido de branco" (eu teria aconselhado-lhe para não usá-lo).

Antonio Socci

Fonte: www.antoniosocci.com  via  www.sinaisdoreino.com.br

 

Veja também...

Escritor e Jornalista Católico Antônio Socci: Bergoglio chega a afirmar na Igreja que Jesus se fez demônio, e todos fingem que nada aconteceu. Isto na boca de qualquer outra pessoa seria considerado blasfêmia

Jornalista católico Antonio Socci: Francisco hoje é o Líder Mundial da Esquerda. Ele mesmo declarou que os comunistas pensam como cristãos

Artigo do jornalista católico Antonio Socci: No dia da Senhora de Fátima (esquecida), Bergoglio fez com que entrasse triunfalmente no Vaticano a estátua de Lutero, o mais famoso herege, como se fosse um santo

O tempo que Nossa Senhora anunciou em Fátima é agora: O que poderemos nós dizer de um Papa que vai honrar Lutero em vez de honrar a Virgem Santíssima no próprio dia aniversário do Milagre do Sol

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne