A Cultura de morte do Fim dos Tempos: Holanda e Bélgica estão aplicando eutanásia em doentes mentais e recolhendo seus orgãos


10.08.2017 -

n/d

Por Wesley Smith.

Na minha primeira coluna anti-eutanásia, publicada pela Newsweek em 1993, eu me preocupei que o assassinato medicalizado fosse aceito, e que em seguida seria acompanhado por “colheita de órgãos como uma ameixa para a sociedade saudável”. 

“Alarmista!” Foi assim que eu fui chamado. “leviano!” eu comecei a pensar que aquilo nunca fosse acontecer, e que estava certo.

Até agora.

Agora, tanto na Holanda quanto na Bélgica, os doentes mentais e deficientes são voluntariamente eutanasiados e os seus órgãos colhidos depois de serem mortos. O Canadá está discutindo juntar-se à dupla infame.

Esperei que a comunidade de transplante de órgãos se levantasse e rejeitasse a morte e a doação de órgãos. Tem sido uma espera praticamente em vão.

De fato, uma carta no atual Journal of the American Medical Association apenas advertiu contra a pressa em instaurar uma ampla política devido a preocupações de segurança:

Exorto a cautela antes que esta prática seja amplamente aceita. Primeiro, isso deve ser feito apenas depois dos resultados funcionais a curto prazo imediatamente após o transplante e aos 6 meses que estão disponíveis. Em segundo lugar, a isquemia quente, uma consequência inevitável da doação de órgãos após a morte cardíaca, resulta em maior risco de órgãos transplantados.

Existe a necessidade de estudar os resultados a longo prazo dos órgãos transplantados resultantes da eutanásia para que se possa obter um consentimento verdadeiramente esclarecido.

O quanto de eficiência você pode conseguir?

Se tudo o que importa é o consentimento – como a clara implicação desta carta – por que os doadores devem sofrer o suficiente para se qualificar para a eutanásia?

Na verdade, por que não deixar que as pessoas saudáveis que simplesmente querem morrer e acreditar que os outros – que querem viver – têm uma reivindicação maior sobre os seus fígados e corações se voluntariando para serem mortas e ter os seus órgãos colhidos? 

Os autores do artigo original deram uma resposta tecnocraticamente fria:

A eutanásia é realizada de acordo com o protocolo local, por injeção de um medicamento para induzir o coma, seguido por um relaxante muscular. Após a parada circulatória, um tempo de espera de 5 minutos é respeitado antes do paciente ser transferido para a sala de cirurgia para remoção de órgãos.

Comparado com outras doações após a morte cardíaca, o processo de morrer é curto (muitas vezes menos de 10 a 15 minutos), e a morte não é precedida por deterioração médica na unidade de terapia intensiva.

Os doadores de eutanásia são, em média, mais jovens do que os outros doadores de morte cardíaca. Os melhores resultados de transplante podem, portanto, ocorrer na doação de órgãos após a eutanásia em comparação com a doação após outras causas de morte cardíaca, mas estudos adicionais são necessários.

Onde estamos como uma sociedade que mata e colhe órgãos e tais ações são respeitosamente discutidas em uma das revistas mais respeitadas do mundo – e ninguém levanta questões cruciais sobre o certo e o errado?

Apenas como um exemplo rápido: o que poderia ser mais perigoso do que deixar as pessoas desesperadas acreditarem que as suas mortes poderiam ter maior valor do que suas vidas? Tornar-se um doador poderia ser o fator final que os induz a optar pela eutanásia ou suicídio assistido.

Pois, para esse assunto, quão perigoso seria se a sociedade chegasse a aceitar as mortes apressadas pelo desespero e os órgãos que poderem ser oferecidos como uma “ameixa”?

A eutanásia corrompe tudo o que toca – incluindo, ao que parece, a ética da medicina de transplante de órgãos.

Fonte: LifeNews  via  Blog Correio Pauista

 

Veja também...

A cultura de morte do Fim dos Tempos: Mulheres com doença não terminal, podem também cometer eutanásia, de acordo com a lei de Ontário, no Canadá. Governantes estudam se eutanásia deve ser estendida às crianças

A Cultura de Morte do Fim dos Tempos: Na Europa, o direito de morrer está se tornando o dever de morrer. Uma proporção considerável dos que praticam a eutanásia, não são doentes terminais, mas sofrendo apenas de velhice

A cultura de morte do Fim dos Tempos: Oferta de médico canadense para eutanásia de jovem, deixa mãe assustada e filha traumatizada

Sinal dos Tempos: Plano de saúde nega quimioterapia a doente terminal, mas lhe oferece o suicídio assistido

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne