Padre David Francisquini: Edifiquemos nossa casa sobre a rocha firme


02.07.2018 -

n/d

Dos ensinamentos emanados dos livros sagrados, é relevante aquele proveniente da parábola da vinha abandonada. Inteiramente dominada pelas ervas daninhas, suas cercas haviam caído, permitindo aos animais de entrar e sair, devastando o que restava do vinhedo.

Se não é próprio à virtude da sabedoria o homem iniciar uma obra e deixá-la inacabada, mais insensato é abandoná-la depois de concluída, seja por imprevidência, falta de zelo ou de coragem para mantê-la próspera e produzindo frutos.

Assim diz o Profeta Jeremias: “Numerosos pastores destruíram a minha vinha, pisaram a minha propriedade, trocaram a minha deliciosa herança em deserto e solidão. Devastaram-na, e ela está de luto diante de Mim. [...] Semearam o trigo e colheram espinhos; receberam a herança, mas não lhes aproveitará; envergonhados sereis dos vossos frutos, por causa da grande cólera do Senhor".

A vinha plantada, cultivada, resplandecente, descrita pelo profeta é a esposa de Cristo, a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, hoje numa situação muito próxima à descrição bíblica sobre a vinha do Senhor. Basta olharmos ao nosso redor a decadência moral e religiosa manifesta na displicência, quando não na cumplicidade em face da conjuração dos ímpios, daqueles que deveriam ser os seus guardiães.   

Para dar um exemplo, a avalanche de erros que contagia por todos os rincões da terra grande número de jovens e crianças, sem reação alguma por parte dos vigilantes da grei do Senhor. A situação se apresenta tão grave que, sem uma assistência muito especial da graça, os fiéis não poderiam continuar crendo que as portas do inferno não prevalecerão em todo o orbe.

Nem sempre é fácil distinguir a verdade do erro. A parábola ensina que, movidos pelo demônio, há na vinha do Senhor os semeadores de más sementes – hoje personificados em modernistas e progressistas – que, ao germinarem e crescerem, acabam por dominar o que foi arduamente plantado e cultivado pelo Senhor.

n/d

Em meus numerosos contatos, não apenas em âmbito regional, venho constatando uma ação quase sistemática das prefeituras no sentido de contratar artistas que, no mais das vezes, farão a apologia das drogas, da prostituição, do amor livre e da violência para os seus munícipes. Ouvi dizer que até sacerdotes costumam frequentar esses ambientes...

Os evangelistas São Lucas, São Mateus e São Marcos se referem à vinha plantada e cultivada pelos lavradores do Senhor. É uma clara alusão à vinha que Deus plantou desde o início da criação do mundo, contratando os operários para a manutenção de seu cultivo.

Assim como o inimigo penetrou nos recintos da Sinagoga antiga a ponto de induzi-la a cometer o pecado de deicídio, assistimos em nossos dias ao final de um processo demolidor iniciado há séculos por inimigos visando à destruição do edifício milenar da Santa Igreja Católica.

Na previsão do que disse Nossa Senhora em Fátima – “a Rússia espalhará seus erros pelo mundo” –, nem sequer a Igreja de Cristo foi poupada do flagelo. E a própria Mãe de Deus promete um castigo jamais visto... Aliás, as suas palavras são um eco da profecia de Isaías:

"Que coisa há que eu devesse fazer mais à minha vinha, que lhes não tenha feito? Far-lhe-ia acaso injúria em esperar que ela desse boas uvas em lugar das labruscas que produziu? Pois agora vos mostrarei o que hei de fazer à minha vinha: arrancar-lhe-ei a sebe, e ficará exposta ao roubo; derrubar-lhe-ei o muro, e ficará sujeita a ser pisada.

“E farei com que fique deserta; não será podada nem cavada; e crescerão nela os espinhos e os abrolhos; e mandarei às nuvens que não derramem sobre ela a chuva. A vinha do Senhor dos exércitos é a casa de Israel e os homens de Judá, a planta na qual ele tinha as suas delícias; e esperei que praticasse a retidão, e eis que só a iniquidade, e que praticasse a justiça, e eis que somente se ouvem clamores" (Is. 5, 4-7).

Hoje, a Santa Igreja padece com a infiltração comunista, com a Teologia da Libertação, e com todos os erros que foram tomando corpo depois do concílio Vaticano II.

n/d

Erros esses reiteradamente denunciados pelo Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, por exemplo, no abaixo-assinado com 1.600.368 (um milhão, seiscentas mil, trezentos e sessenta e oito) assinaturas, coletadas em 1968 e enviadas em seguida ao Papa Paulo VI, pedindo-lhe medidas contra a infiltração comunista na Igreja.

Infelizmente, essa petição angustiada não mereceu nenhuma resposta ou providência do Sumo Pontífice. A partir de então, uma defecção da fé, da moral e dos costumes vem dizimando instituições como a família, um dos pilares da sociedade. A que abismos chegaremos se Deus não intervier?

No entanto, fiquemos atentos à Sua voz em nossas almas, pois quem souber ouvi-la e guardá-la no coração, será como alguém que edificou sua casa sobre a rocha firme, e não sobre a areia, como faz o insensato. Mesmo que caia a tempestade, transbordem os rios e soprem os ventos, ela permanecerá de pé, pois essa rocha firme é a Santa Igreja, contra a qual Nosso Senhor prometeu que as portas do inferno não prevalecerão.

Fonte: blogpedavid.blogspot.com  via  www.rainhamaria.com.br

 

Veja também...

Padre David Francisquini: Bondade não significa fazer concessões

Padre David Francisquini: Ninguém pode servir a dois senhores

Padre David Francisquini: Há 100 anos, uma advertência vinda do Céu

 


Rainha Maria - Todos os direitos reservados
É autorizada a divulgação de matérias desde que seja informada a fonte.
http://www.rainhamaria.com.br

PluGzOne